segunda-feira, 6 de junho de 2016

O futebol em países socialistas: Coreia do Norte

Norte-coreanos em 1966 celebram a vitória em cima da Itália.

 Fundada em 1945, a República Democrática Popular da Coreia do Norte passou a ter uma seleção de futebol logo no mesmo ano, que não tardou e se associou a FIFA. Entre as décadas de 1940 e 1950 seria fundado os primeiros clubes da nação. Dentre os quais viraram forças do futebol local, a exemplo do April 25 (de 1949), o Amrokkang (de 1947) e o Kigwancha (de 1956).

No princípio, era a seleção

 A Seleção Norte-Coreana, foi criada em 1945, no mesmo ano em que o país livrou-se do domínio japonês. Há cerca de vinte anos dali, viria a prestar um importante papel na Copa do Mundo realizada na Inglaterra. Foi na terra da rainha, que a Chollima fez uma grande campanha. Iniciando no grupo de União Soviética, Itália e Chile, começou sendo derrotada por 3 a 0 num jogo de confrades com os soviéticos. Em seguida empatou com os chilenos. O jogo decisivo seria com uma potência do futebol. A Itália que já fora campeã em 1934 veio a campo com Fachetti, Mazzola e cia. limitada. Não foi o bastante para vencer os norte-coreanos, que somando um ponto a menos precisava do triunfo. O time da Inter de Milão, bicampeã em 1964/65 servia com base pros italianos. Com os rivais tendo desperdiçado chances precisas, bastou Pak Do Ik balançar as redes de Albertosi para garantir a vitória. O atleta deixou a bola quicar e chutou no canto direito do arqueiro da Fiorentina. Com a eliminação, os jogadores da seleção italiana foram recebidos com chuva de tomate na volta pra casa.
O atleta norte-coreano Pak Do Ik observa a bola adentrar a meta de Enrico Abertosi.

 Sendo assim, em sua primeira participação em uma Copa do Mundo, a seleção logo chegou as quartas-de-finais. O novo adversário seria a seleção portuguesa, do destemido Eusébio. Os coreanos num árduo trabalho conseguiram fazer não só um, mas três gols nos lusitanos, marcados por Pak, Li e Yang em 25 minutos. O campo era o Goodison Park, estádio do Everton, onde na fase de grupos os portugueses haviam eliminado o Brasil. Dessa vez não foi diferente, pois Eusébio, o Pantera Negra começou com a reação logo aos 27' marcando o primeiro. Marcou mais um antes de terminar a primeira etapa e na volta assinalou mais dois gols. Perto do fim, José Augusto ainda ampliou e a partida terminou em 5 a 3. 
Atletas de 1966 nos dias atuais frente a estátua de Kim II Sung. (Créditos: Futebol na Coréia do Norte)

 Após décadas foi que os norte-coreanos voltaram a disputar uma Copa do Mundo. Desta vez, na África do Sul, a seleção da Coreia do Norte esteve novamente no grupo de duas potências do futebol mundial, o Brasil já penta-campeão e Portugal de Cristiano Ronaldo. O primeiro confronto foi justamente contra os brasileiros, e como na primeira copa, começou com derrota, por 2 a 1, com Maicon e Elano marcando pra canarinho e Yun-Nam Ji pra Chollima. As semelhanças, pararam por aí, pois no jogo seguinte Portugal aplicou incríveis 7 a 0 pra cima da Coreia do Norte. Já no jogo de despedida, a Costa do Marfim os venceu por 3 a 0. 
Selecionado brasileiro e norte-coreano entrando em campo em Joanesburgo. 
 Atualmente a seleção da Coreia do Norte foi eliminada para as Filipinas nas Eliminatórias para a Copa da Rússia em 2018, contanto, já está mirando a Copa da Ásia de 2019 e a do Catar em 2022. Por via disso, contratou o treinador norueguês Jorn Andersen, que assinou um contrato de quatro meses com opção de renovação. O novo comandante da Chollima afirmou: "o futebol pode construir pontes".
O norueguês, ex-jogador de futebol, é o atual treinador da Coreia.
April 25, a potência nacional

 Fundado em julho de 1949, o April 25 possui esse nome em homenagem ao Exército Popular da Coreia, este, criado em 25 de abril, rege o clube que teve como primeiro nome Central Sports Trainning School Sports Team. O clube já ganhou dezesseis campeonatos nacionais além de outras copas disputadas. Porém, é o Pyogyang City que possui maior número de torcedores, e contém dez títulos a menos.
Final da da Torch Cup, na qual o April 25 venceu o Kigwancha por 5 a 1. (Créditos: Futebol na Coréia do Norte)

Os estádios

 A capital Pyongyang abriga em seu seio diversos estádios. Um dos que mais se destacam é o Rungrado May Day Stadium, que é na atualidade o maior estádio do mundo, por ter capacidade de portar 150 mil espectadores. Seu nome é homenagem a ilha onde foi construído e também ao Dia Internacional do Trabalhador (1 de maio). Além dele, ainda estão localizados na cidade o Estádio Kim II Sung, que foi iniciado na época de domínio nipônico para o beisebol. Após duas mudanças de nome, foi dado a ele o nome de Kim II Sung, primeiro líder do país e criador da ideia Juche. Além destes existe também o Yanggakdo, que se aproxima de um rio que corta a cidade.
Estádio Yanggakdo visto de cima. (Créditos: DPRK 360)

O futebol coreano em outros países

 Dos jogadores convocados pra Copa de 2010, três deles jogavam no futebol internacional. Eram eles: An Yong-Hak, do Omiya Ardija-JAP, Hong Yong-Jo do Rostov-RUS e Jong-Tae-Se do Kawasaki Frontale-JAP. Este último ganhou bastante notoriedade e foi até chamado de "Rooney norte-coreano", embora tenha nascido no próprio Japão. Ele ainda tivera a opção de jogar tanto pelos japoneses, de onde é sua nacionalidade, quanto pelos sul-coreanos, de onde são seus avós. Porém, optou pela Coreia do Norte por ter sido educado numa escola do país. Após a Copa do Mundo, jogou na Alemanha pelo Bochum e pelo Colônia, e agora defende o Shimzu S-Pulse do Japão. Além de Jong, a Coreia do Norte possui jogadores em outros países também, como Pak Kwang-ryong no futebol suiço, Choe Song Hyok na Fiorentina e a dupla Ri Chol Song e Jong Chang Bom na Napoli.
Jong Tae-Se.jpg
Jong Tae-Se no jogo contra a Seleção Brasileira em 2010.

 Mas não é só por meio de jogadores que se mostra a internacionalidade da Coreia. No Japão, foi fundado há mais de cinquenta anos o FC Korea, que une atletas de nacionalidade coreana em terras japonesas. A equipe tem como meta para esse ano ascender na Kanto Soccer League. Recentemente o clube participou da Copa do Mundo CONIFA e recebeu medalhas de participação pelo papel desempenhado na competição.
Flâmula do FC Korea na Copa do Mundo CONIFA. (Créditos: Chollima Football Fans - il calcio nella RPD Corea)

O compromisso norte-coreano com o esporte

 A prática do esporte é bem incentivada na Coreia do Norte. Por esse fato e outros, o país tem a admiração do jogador de basquete norte-americano Dennis Rodman, que foi bicampeão da NBA pelo Detroit Pistons e tri pelo Chicago Bulls. O atleta já declarou sobre Kim Jong-un: "O avô dele e o pai dele foram grandes líderes". Kim Jong-un que é amigo do jogador, já salientou que o partido fez um trabalho esforçado para poder desenvolver o trabalho no setor esportivo. O país possui uma Fábrica de Equipamento de Materiais Esportivos, que foi fundada em 1959 e já modernizada trabalha com um rigoroso sistema de controle de qualidade para que os produtos estejam adequados ao padrão internacional.
Secretário-geral do Partido dos Trabalhadores da Coreia, Kim Jong-un em visita a fábrica. (Créditos: Coreia do Norte em foco)

 O futebol feminino da RDPC também é bastante aclamado. As mulheres da Chollima já venceram o Copa da Ásia por três vezes, em 2001, 2003 e 2008, e também a Copa do Mundo sub-20 em 2006 e a sub-17 e 2008. No último mês as norte-coreanas venceram a Copa do Mundo sub-14 em cima do Japão por 3 a 0, e ainda teve a artilheira da competição, a atacante Won Hyang-son, com quinze gols.
Campeãs foram bem recebidas na Coreia do Norte após a conquista no sub-14. (Créditos: DPR Korea Football)


Por: Milton Filho

2 comentários:

  1. Uma dúvida: a história que foi veiculada na mídia (em 2010 ainda) de que os atletas e o técnico foram humilhados em praça pública e que o técnico, além de humilhado, teve que realizar trabalhos forçados procede?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não procede. É uma notícia veiculada pela Free Asia, órgão pertencente ao governo americano, que dentre outras mentiras proferidas sobre a RDPC, 'noticiou' recentemente um assalto a banco que não aconteceu.

      Excluir